Ataque de Injeção de SQL: o que é e qual a relação com roubo de dados?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on reddit
Share on whatsapp

O SQL é o acrônimo de “Structured Query Language”, uma linguagem de gerenciamento de banco de dados relacionais, muito ampla, flexível e popular. Ela é usada como base para manipular diversos sistemas de bancos de dados, como Oracle, DB2, MySQL, SQL Server, PostgreSQL, para gerenciamento de informações de aplicações e websites. 

SQL x segurança de armazenamento de dados

O SQL é muito utilizado no armazenamento de informações contidas em sites e blogs WordPress, inclusive dados dos usuários. Ele possibilita que:

  • O site seja mantido em operação;
  • Os dados sejam armazenados em segurança;
  • Apenas usuários autorizados acessem informações, gerenciando o privilégio de acesso aos dados;
  • Sejam evitadas perdas de dados.

Com tamanha adesão, cresceu também o uso malicioso por cibercriminosos.

Veja como funciona o ataque de Injeção de SQL e qual a relação com o roubo de dados:

O que você vai ver neste post

O que é a Injeção de SQL

O SQL Injection é uma das vulnerabilidades mais perigosas para sites e aplicativos online. Ocorre quando uma falha na codificação de uma aplicação web ou local possibilita, através de um input qualquer, a manipulação de uma consulta SQL.

Essa manipulação, chamada de injeção, permite realizar um ataque oculto, baseado na linguagem SQL, no qual o cibercriminoso insere seu código malicioso (sql querys) no banco de dados de um site, através dos campos de formulários ou de URLs de uma aplicação vulnerável, ignorando a autenticação e as medidas de segurança, e conseguindo corromper os registros do banco de dados, possibilitando extrair os dados protegidos.

O que permite ao invasor

Uma vez instalado, o invasor pode controlar o banco de dados do site, excluindo ou alterando dados e sequestrando informações do usuário.

O que o atacante busca

Geralmente o cibercriminoso está em busca dos dados dos usuários armazenados no site, como as credenciais de login, para que, através deles possa lucrar.

Um ataque de SQL Injection bem-sucedido pode resultar no acesso não autorizado a dados confidenciais, como senhas, cartões de crédito e informações pessoais da vítima, trazendo danos à reputação da empresa detentora dos dados e multas relacionadas a isso.

De posse destes danos, o atacante pode tanto vender os logins roubados na dark web, quanto aplicar golpes se passando pela vítima, ou pior: infiltrar um backdoor, levando ao comprometimento do sistema, que pode passar despercebido por um longo período.

Tipos de ataque de Injeção de SQL

1. Injeção de SQL pela entrada do usuário

Os ataques de injeção de SQL ocorrem quando um site não realiza adequadamente o processo de limpeza de entrada.

Quando as entradas dos usuários são limpas, um cibercriminoso pode injetar um código SQL que é entregue no servidor do banco de dados da vítima, afetando-o. Deste modo, o atacante pode, por exemplo, roubar dados do usuário ou interromper as operações do site.

2. Injeção de SQL por modificação de cookies

Cookies são pequenos arquivos hospedados no navegador que enviam informações sobre você aos sites. Às vezes, são úteis, como quando recuperam credenciais de login e preferências para nossa conveniência; outras vezes, são usados para rastrear seu comportamento na web e enviar os insights para pesquisa de mercado e fins de publicidade.

Em outra modalidade de ataques de Injeção de SQL, os cibercriminosos conseguem ‘’envenenar’’ cookies, enviando código SQL corrompido ao servidor do site da vítima.

3. Injeção de SQL por variáveis do servidor

Quando você digita um URL de site no navegador, este solicita uma lista de informações chamadas de “variáveis de servidor”, que ajudam a renderizar o endereço virtual corretamente. É possível que os cibercriminosos incluam um código SQL nas solicitações do navegador que, se não forem limpas, pode ser inserido no banco de dados do site no servidor.

Checklist para evitar uma vulnerabilidade de SQL Injection

  • Colocar a equipe de desenvolvimento e teste de software para testar todos os caminhos do website e garantir que este se comporte adequadamente.
  • Utilizar o SQLMap, uma ferramenta de código aberto popular, para localizar brechas relacionadas relação à injeção de SQL e corrigi-las, ou o Burp Suite, um scanner de vulnerabilidade web.
  • Identificar as possíveis portas de entrada da invasão, para identificar as formas de proteção e aplicá-las. 
  • Ocultar as mensagens de erro com muitas informações, pois podem ser úteis para que invasores entendam e aprendam mais sobre o banco de dados e seu funcionamento.
  • Manter o sistema atualizado.
  • Validar a entrada do usuário, antes de ser processadas no banco de dados. Isso ajudará a identificar invasores com mais rapidez. 
  • Limitar privilégios – Conectar o banco de dados a uma conta com acesso root pode fazer com que os invasores tenham acesso a todo o sistema. Quando você limita o privilégio, diminui a superfície de ataque.
  • Manter todas as credenciais, principalmente as de banco de dados, armazenadas no cofre digital de uma ferramenta de gerenciamento de acesso privilegiado (PAM), como o VaultOne.

Proteja o acesso privilegiado e os dados corporativos

O risco está dentro e fora das empresas. Uma pessoa que tem acesso a credenciais privilegiadas pode acessar sistemas e aplicativos para roubar dados confidenciais, alterar configurações de segurança e até instalar malware, como ransomware. O dano pode ser irreparável, incluindo interrupção nas atividades da empresa.

Para lidar com esse cenário, o VaultOne permite que a sua empresa controle e monitore o acesso do usuário, minimizando o risco de ameaças internas e externas.

Veja o VaultOne em ação, solicite agora mesmo uma demonstração.